analisador adsense fim do analisador adsense

Quer aprender a programar orientado a objetos? - Dicas rápidas e fáceis você só encontra aqui

Monetização

Guia expresso de MySQL - Workbench



Guia expresso de MySQL
Características principais que tornam o MySQL o gerenciador de banco de dados mais utilizado para manipulação da linguagem sql, elas são:
  1. Facilidade na utilização
  2. Manutênibilidade
  3. Estabilidade
  4. Operação com threads
  5. Software livre onde esta sobre os termos GPL
  6. Compatibilidade com as mais diversas linguagens de desenvolvimento de software
  7. Banco de dados teste
Se gostou e quer saber a história do MySQL e da ferramenta workbench acesse aqui.
Para transformar um computador em um servidor de dados utilizaremos o AMP, Xamp, Lamp, ou EasyPhp.

Geralmente o usuário padrão
Usuário: root



Localização:
127.0.0.1
Senha: Deixe em branco

A Ide para desenvolvimento da logica e do próprio banco de dados será utilizado o workbench, logo após se conectar,
1° Criei uma base de dados com o seguinte código
createdatabase aluno;

2º agora conecte a esta base criada com o seguinte código
use aluno;
Para visualizar-mos a base criada de já conectada utilize os o menu refresh em schemas ou na janela de código use o seguinte comando  show databases;

agora vamos criar uma tabela no banco de dados aluno

createtable aluno(
n_codaluno int not null auto_increment,
n_matrialuno int (6),
c_nomealuno varchar (45),
c_cpfaluno varchar (11),
primarykey (n_codaluno)
);

Pronto, os primeiros passos de utilização de um banco de dados sql já foram aprendidos. Criamos a nossa primeira tabela, nas postagens futuras ensinaremos sobre normalização da estrutura e como se conectar ao banco de dados.

Artigo - Proposta para criação de sistema: Passe de saída eletrônico


 

Passe de saída eletrônico

ATIVIDADE ESTÁGIO SUPERVISIONADO II

Proposta para criação de sistema: Passe de saída eletrônico


Índice de figuras

 

Figura 1: Passe de saída externo utilizado diariamente........................................ 5

Figura 2 - Sistema de passe externo de saída..................................................... 8

Figura 3: Diagrama de classe passe de saída...................................................... 9

Figura 4: MER sistema passe de saída.............................................................. 10

Figura 5: Representação do fluxo de tarefas criar passe..................................... 11

Figura 6: Diagrama de atividade criar passe de saída......................................... 12

Figura 7: Tela de login do sistema..................................................................... 13

Figura 8: Tela Central do sistema geração de passe.......................................... 13

Figura 9: Tela de recebimento do passe portaria................................................ 14

Figura 10: Tela 2 de recebimento de passe confirmação da saída pela portaria... 14


Sumário



1 Cenário. 5

2 Objetivo da proposta. 6

3 Requisitos do sistema. 6

3.1 Requisitos funcionais. 7

3.2 Requisitos não funcionais. 8

4 Modelagem.. 9

4.1 Telas do sistema. 14

REFERÊNCIAS

 


1         Cenário

 

Uma empresa que produz produtos do ramo de limpeza possui um sistema de controle de saída dos funcionários manual, estes são produzidos a pedido dos colaboradores com os seguintes objetivos: darem suporte técnico ou mesmo alguma tarefa pessoal externamente durante sua jornada de trabalho.

Um colaborador dirige-se ao setor pessoal e solicita para a atendente uma autorização de saída, a atendente lhe pede o crachá para poder ter as informações necessárias como matricula do colaborador, seu nome, cargo (função desempenhada), órgão lotação (setor de trabalho), logo após lhe pergunta qual o motivo da saída, o colaborador lhe informa o motivo, este podendo ser a serviço, medico ou pessoal, no caso do motivo for pessoal deverá haver previamente a informação de confirmação do pedido por parte do gerente do setor.

Em seguida e questionado o motivo do passe solicitado, quando este for a serviço, logo após a atendente insere a data e hora de emissão finalizando a criação do passe e entregando ao colaborador.  Ao chegar à portaria o colaborador entrega o passe para poder sair, quando o porteiro recebe a nota preenche o campo do horário de saída e ao retorno do colaborador marca o horário de chegada finalizando o passe.

Atores:

a)    Atendente

Ações: solicitar informações, preencher os campos (NOME, MATRICULA, CARGO, ORGAÇÃO/LOTAÇAO (Setor de trabalho), HORA E DATA DE EMISSÃO) selecionar o motivo da saída e preencher o campo do motivo este somente no caso de “a serviço”.

b)    Colaborador

Ações: informar o motivo a atendente (A SERVIÇO, MEDICO OU PARTICULAR) e informar a razão (SERVIÇO) no caso do motivo ser a opção “a serviço”.

c)     Porteiro

Ações: marcar hora da saída, e hora do retorno finalizando o passe de saída.

 

2         Objetivo da proposta

 

Promover a criação de um sistema automatizado para geração e controle de passe de saída dos funcionários. É imprescindível aprimorar o sistema utilizado, onde este atualmente encontra-se feito manualmente anotando-se as informações em uma folha impressa, e sem validação do recebimento das ocorrências criadas pelos colaboradores da portaria para o setor pessoal “onde há a falta de comunicação entre setores”. O passe é criado mediante solicitação do colaborador ao usuário do setor pessoal, podemos ver conforme Figura 1.

Figura 1: Passe de saída externo utilizado diariamente

Passe de saída externo utilizado diariamente

Fonte: Autor

Com isso, propomos uma ferramenta informatizada que ajudará no controle da circulação e acesso pela portaria, será feito a analise dos requisitos do domínio a partir dos materiais utilizados na área de domínio, seguindo das suas devidas especificações, como mencionado por Sommerville (2007, p.17), “eles devem pensar sobre os serviços que o sistema fornece as restrições do sistema com usuários e seu ambiente”.

3         Requisitos do sistema

 

O primeiro passo para o desenvolvimento do sistema será a elicitação dos requisitos funcionais e não funcionais.

3.1       Requisitos funcionais

[RF01] Realizar login.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema deve permitir acesso somente de usuários ativos.

 

[RF02] Solicitar a matricula do colaborador ao usuário.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema deve solicitar ao usuário a matricula do colaborador para buscar seus dados para automaticamente preencher os campos da tela principal do sistema (NOME, ORGÃO/LOTAÇÃO, CARGO).

 

[RF03] Solicitar o motivo de saída do colaborador.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema deve solicitar o motivo (A SERVIÇO, MÉDICO, PARTICULAR).

 

[RF04] Solicitar o detalhamento do serviço.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema deve solicitar detalhe sobre a saída.

 

[RF05] Confirmar informações.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema solicitará se as informações apresentadas estão condizentes com o ID do colaborador antes de visualizar passe.

 

 [RF06] Criar passe extra.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

Ao inserir uma matricula mestre o sistema disponibilizará o preenchimento manual dos campos (NOME, CARGO, ORGÃO/LOTAÇÃO, MOTIVO, SERVIÇO) para colaboradores não matriculados.

 

[RF07] Registrar saída.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema registrará a confirmação de saída inserida pelo operador da portaria no banco de dados.

 

[RF08] Indicar passe criado ao usuário do grupo portaria.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

Deverá indicar chamados abertos na hora da sua criação a portaria com um menu pop-up na tela do usuário que pertence ao grupo.

 

[RF10] Mostrar visualização do passe.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema deverá mostrar uma tela de visualização das informações do colaborador antes de imprimir.

 

[RF11] Emitir relatórios mensais.

Prioridade: Essencial  Importante  Desejável

O sistema deverá emitir um relatório em formato texto a cada trinta (30) dias.

3.2       Requisitos não funcionais

[RNF01] Gerar log de eventos.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema criará uma lista de eventos efetuados no sistema com (DATA, HORA, NOME, ID, EVENTO).

 

[RNF02] Segurança dos dados.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema devera fornecer um sistema de autenticação com uso de criptografia da senha.

 

[RNF03] Tipo e tamanho de senha de acesso.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema devera conter uma senha alfanumérica com  um campo de (8) oito dígitos, sendo estes (01) caractere especial, (01) letra maiúscula, (04) números .

 

[RNF04] Arquitetura de sistema operacional.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema devera ser implementado para operacionalizar em qualquer sistema operacional que possua o java runtime instalado.

 

[RNF05] A linguagem de programação utilizada.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema devera ser implementado preferencialmente na linguagem Java.

 

[RNF06] O armazenamento das informações.

Prioridade: Essencial Importante Desejável

O sistema devera ter um banco de dados relacional para MYSQL para que as informações tenham persistência.

4         Modelagem

 

Logo após o desenvolvimento será o momento das criações das visões que ajudaram ao programador ter uma noção comportamental e funcional do sistema a ser desenvolvido de acordo com Pressman (2010, p.148),

 

Modelagem de analise frequentemente começa com a modelagem  de dados. O engenheiro de software ou analista define todos os objetos de dados processados no sistema, os relacionamentos entre os objetos de dados e outra informação pertinente aos relacionamentos.

 

Neste contexto temos a descrição do cenário mostrando as funcionalidades com o uso do Diagrama de Caso de Uso, conforme Figura 2.

Figura 2 - Sistema de passe externo de saída

Sistema de passe externo de saídaFonte: Autor

 

Mapa da estrutura do sistema pela visão do Diagrama de Classes, conforme.

Figura 3: Diagrama de classe passe de saída


Diagrama de classe passe de saída

Fonte: Autor 


Descrição das entidades envolvidas com o domínio de negocio descrito no Modelo Entidade Relacionamento, conforme Figura 4.


Figura 4: MER sistema passe de saída

MER sistema passe de saída

Fonte: Autor

 

O diagrama de sequencia demonstrando a função de criação do passe de saída onde cada seta representa um evento e como será canalizado o comportamento dos objetos após o evento como podemos ver na Figura 5.

Figura 5: Representação do fluxo de tarefas criar passe.

Representação do fluxo de tarefas criar passe.

Fonte: Autor


 

A partir das informações colhidas chegamos ao diagrama de atividade, onde para chegar ate este ponto passamos engenharia de requisitos: Concepção, levantamento, elaboração, negociação, especificação, validação. Nele após a criação do diagrama de caso de uso que descreve o fluxo de interação, no diagrama de atividades são representadas as decisões, Descritas por Sommerville (2007, p.116), “[...] o modelo de maquina de estado mostra os estados do sistema e os eventos que provocam transições de um estado para outros”. A figura a seguir demonstra o estado da atividade principal de criar o passe de saída, ver Figura 6.

 

Figura 6: Diagrama de atividade criar passe de saída 

Diagrama de atividade criar passe de saída

Fonte: Autor


4.1       Telas do sistema

Figura 7: Tela de login do sistema

Tela de login do sistema


Fonte: Autor

Figura 8: Tela Central do sistema geração de passe

Tela Central do sistema geração de passe

Fonte: Autor

 

Figura 9: Tela de recebimento do passe portaria

Tela de recebimento do passe portaria
                                                            Fonte: Autor

 

Figura 10: Tela 2 de recebimento de passe confirmação da saída pela portaria

Tela 2 de recebimento de passe confirmação da saída pela portaria
Fonte: Autor

REFERÊNCIAS

 

PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. 6 ed. Porto Alegre: AMGH, 2010.

 

SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 8 ed. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2007.